Páginas

A minha árvore


Pensei-me forte neste tipo de emoções. Mas não consegui travar uma lágrima teimosa.
Nessa manhã acordei com o ruido destrutivo do abate da árvore preferida da minha rua...”a minha árvore” foi assassinada. Era minha ...porque um dia quando ainda recém plantada um camião a atropelou e ficou quase no chão. Ajudei-a até estar de novo na vertical e coloquei-lhe uma tala depois de um dia inteiro tombada...era uma noite fria...e esteve ali naquele pranto que mais ninguém ouviu durante quase 24 horas. Por isso se a salvei, era minha. E depois abandonei-a por uma década apesar de a visitar todos os anos, até voltar para a olhar e lhe dizer bom dia e boa noite a cada acordar e adormecer.
Por um semáforo tudo se pode fazer...até matar árvores...Acho que a partir desse dia fiquei a detestar semáforos e jurei nunca os ajudar se um dia os vir caídos.
Lembro-me de ter pedido ao “assassino remunerado” que me cortasse uma fatia do que dela restava para guardar a mágoa de não mais a ver inteira...mas ele disse que tinha que pedir autorização á câmara...a minha vontade foi desejar que a câmara fosse de gaz e implodisse por inteiro.
Nunca disse a ninguém mas para mim continuas lá minha Árvore... e lá morrerás um dia... mas como a maioria de todas as tuas irmãs...de pé.

4 comentários:

Paula disse...

Só uma pessoa atenta, com sensibilidade e caráter é que teria essa atitude perante uma árvore tombada.

Renovo os parabéns pelo seu blog.

O meu abraço de sincero respeito pela sua escrita!

Mélita disse...

O coração tem a imensa capacidade de manter vivo, para a eternidade... tudo aquilo que um dia amámos e nos fez feliz! Paralelamente, tem razões que a própria razão desconhece... e até a dor que um dia nos dilacerou se relativiza para que outras emoções tomem proporções! As memórias e as emoções nunca se apagam mas o progresso... e as novas realidades solidificam-se e instalam-se! E um dia, aquela árvore que foi substituída por um semáforo, verá quantas vidas iluminou e ajudou a salvar... A vida é assim, não pára! Nada é insubstituível por muito forte e importante que tenha sido, ficam as apenas as memórias gratificantes... e o presente!

Um beijo. Mel

Anónimo disse...

Amigo:

Gostei imenso do teu texto acerca da "tua árvore"...

Todos nós temos algures uma árvore que um dia nos estendeu os seus braços a protegerem-nos das vicissitudes e medos da vida, dos medos da morte...

Eu também tenho uma árvore... ela encontra-se em Israel, no Kibbutz, no meu Ulpan...

Ela encontrava-se mesmo em frente da porta da minha cabana de madeira no Ulpan.
Todos os dias eu me levantava cedo para ver o despontar do dia...
e todas as tardes me sentava contra ela para ver o sol desaparecer por detrás das montanhas...
Essa ávore ainda lá está, mas a minha cabana já deu lugar a um horroroso prédio de 3 andares!

Tenho uma outra árvore que me é extremamente importante, que plantei em Jerusalem,
em homenagem a uma víctima do holocausto.

Eu plantei uma, outros plantaram outras...

Muitos anos depois fui lá ver a minha árvore mas já a não reconheci...
Ela tinha crescido e encontrava-se então perdida entre seis milhões doutras árvores por outros plantadas...

Homenagem a seis milhões de víctimas do Holocausto...

Nesse dia chorei!

Chorei como uma criança que acabara de perder o seu ursinho, aquele ursinho de feltro com o qual dormiu todas as noites da sua infância, que um dia levou com ele para a tropa...

Os homens também choram... por vezes essas lágrimas são ouro que tombam direitos duma alma enternecida...
Chorar não é vergonha! Chorar é, por vezes, ainda muito mais reconstituinte do que uma boa gargalhada!

Quando sentires lágrimas ameaçando os teus olhos... deixa-as brotar!
Elas são sinónimo de uma alma boa albergada algures na tua pessoa.
Deixa-as caír, elas são um poema que não ousaste escrever...

Um poema a que podímos chamar

"Os Homens Também Choram!"

Um grande abraço,

Rogério

By myself disse...

Depois de ler até aqui, já não me restavam dúvidas da tua sensibilidade. Este post é apenas a confirmação.
Parabéns por seres assim...e chorares por um ser vivo.

Bjs